quarta-feira, 12 de outubro de 2011

12 de Outubro de 2011

quero dias transparentes como uma palavra tua
noites de brilho e sopro como um só gesto teu
mas
falta dizer que é vidro o que contigo é
falta dizer que é folha onde se inscreve o traço
que marca a hora do dia
em fuga pela manhã

sento-me então à tardinha
no grande banco de pedra
uma palavrinha tua
inda está à minha espera
à volta do fogo-pele

e conto animais ferozes
à solta pelos milhares
mil e três ou mil e quatro
qu'isso soma qu'isso aumenta
conto a conta que tu contas
e que eu conto nestas contas
à vida

digo-te agora o total
há senhorinhas à espera
do teu conto tão fatal

3 comentários:

tiaselma.com disse...

Interessantíssimo, Aninha. Sobretudo os últimos versos...

Beijocas.

Ana Paula Sena disse...

:)) beijinhos voando, para si, Selma!

Ângela F. Marques disse...

tenho que vir mais vezes a este teu cantinho.
é delicioso. enche-me a alma ressequida.

The Beggar Maid
Sir Edward Burne-Jones
Theseus in the Labyrinth
Sir Edward Burne-Jones

Obrigada!

Veio do aArtmus

Obrigada!

Veio do Contracenar

Obrigada!

Obrigada!

Dedicatórias

Todos os textos - À Joana e à Marta