quarta-feira, 27 de outubro de 2010

27 de Outubro de 2010

Navegar é preciso

Se o homem do leme deixa o leme à deriva sem lhe pôr as mãos
surge sempre um dia com mais direcção
nele o vento cuida da navegação

e o homem do leme amarra-o às estrelas nas horas que dorme
ondas de segredos dos segredos são
e embalam as horas desta embarcação
sigo nela ardente um corpo presente
esse curso segue e nele adormece como fora em vão
há um norte em mim mas porque estou viva
sigo sempre em frente faço as minhas curvas e construo a vida
dou-lhe a minha mão se não ando à deriva

e o homem do leme sulca todo este mar com a sua direcção --->
penetra marés e faz a viagem Inteira
uma em que é presente
vivo e meu somente
se navega em mim...

2 comentários:

RAA disse...

entre outras coisas, gosto da cadência

Ana Paula Sena disse...

Obrigada, RAA.

The Beggar Maid
Sir Edward Burne-Jones
Theseus in the Labyrinth
Sir Edward Burne-Jones

Obrigada!

Veio do aArtmus

Obrigada!

Veio do Contracenar

Obrigada!

Obrigada!

Dedicatórias

Todos os textos - À Joana e à Marta