sábado, 23 de maio de 2009

Príncipes e princesas

Foi num cruzamento da cidade numa rua qualquer que o olhar te captou. Capturou. Era um mundo fragmentado de emoções que ressoava na atmosfera de buzinas e travões. Ainda que fossem milhares de vultos a circundar-me, encontrar-te-ia. Constituías o desafio da carne e o do espírito que a habita. Foi o elo invisível que fascinou. O não saber como com que se tece a vida que vem de um passado procurando cada fio da ligação ao futuro nas malhas do presente. Ainda hoje é incógnita se sentiste o mesmo que era então o meu pressentimento. Ou se o poder da imaginação me pregou uma partida que em si mesma eu procurava como lugar para estar sabendo que não poderia ficar.

Já aí não estou. Não poderia. Não há como estar quando o lugar é pura ilusão. Temos que reconhecer que aquela rua era uma espécie de castelo encantado aonde tu vinhas para me salvar. Mas não há príncipes e princesas. E mesmo assim... foras tu um príncipe sapo e eu amar-te-ia. Afinal eras só humano. De uma humanidade dilacerante. Tocante na sua insuficiência para me salvar. Ainda hoje te agradeço sem que o possas saber: não há salvação que não se encontre em nós mesmos. É por isso que não te vou falar do corpo e da hora do encontro destes átomos que nos constituem. Seria uma vulgaridade atendendo ao número de corpos que há no mundo passíveis de encontrar. Que encontres cem que encontres mil... só há encontro no olhar. E desencontro-te agora pois são essas as malhas nas quais se tece hoje o presente. Por vezes é preciso puxar um fio e desmanchar a rede. Fora de fantasias a verdade é que nos escapa dolorosamente tudo o que se entreteceu para trás... O romântico de tudo isso é que também se pode agarrar uma ponta. Com ela... o que a princesa faz é continuar a bordar flores e fantasias, então com outros pontos: talvez o pé-de-flor em lugar do de cruz.

Falo-te eu de bordados e de pontos... mas uma princesa que cresce tem uma particularidade que pode ser inconveniente: quer inventar pontos novos. E o único príncipe que ela pode esperar é aquele que a ajuda a inventar o tecido da vida. O que tu pensarias disso?! Bom... é certo que ficarias a pensar: quero pôr os príncipes a bordar. Mas afinal que mais compete a um príncipe que se preze senão o ser capaz de bordar com engenho e arte, inventando a vida a ferro e fogo no corpo da sua amada?! E depois... revestir-se de Ricardo Reis e ler poemas de amor:

«Vem sentar-te comigo, Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos.)»

Mas a única evidência é que não vamos tecer ou bordar - ou mesmo enlaçar - nada juntos. Foi por isso que aqui gravei este pequeno estampado, desta feita com pontos de interrogação e de exclamação, imensos pontos finais. Ponto final. Sempre amovível, pode converter-se em vírgula, talvez em três pontos. Ponho reticências...




9 comentários:

arion disse...

Olha, eu cá gostei muito. E fez-me pensar em todas as dependências emocionais que construímos por nós próprios, muitas vezes alicerçadas no egoísmo do outro cujo ego estertora e resfolega no desgaste do ser, porque mesmo a carne não é indelével. Beijo-te, sem reticências!

Contracena disse...

"... não há príncipes e princesas...", nem bruxas, nem fadas, nem estórias de encantar.

Existe a pontuação que colocaste neste excelente texto que acabei de ler.

Beijo.
Fátima

Lauro António disse...

Belíssimo texto. Por vezes tens um invulgar dom de palavra.
Não sei porquê, talvez tu o saibas, gostaria de ter lido este texto há algum tempo atrás. Com dois pontos, à espera do futuro. De resto, não concordo com o pessimismo de que nunca se tece nada junto. Há muitos bordados que ficaram na memória, mesmo que seja na memória da história.

Adriana disse...

muito bonito tudo aqui.

vbm disse...

Às vezes, os enredos entretecem-se com menos reticências, por exemplo, naqueles casos - comuns, antigamente - em que a noiva é raptada, como Perséfona o foi por Hades, depois de enfeitiçada por Eros... :)

Um belo texto, contudo.

tiaselma.com disse...

E eu coloco exclamações por este blog! Encantaram-me estilo e palavras.

Posso voltar?

Selma Barcellos (www.tiaselma.com)

Nilson Barcelli disse...

Querida amiga, escreves estupidamente bem. Desculpa o adjectivo, mas queria que percebesses o quanto gostei.
O conteúdo, não discuto, já que em matéria de sentimentos nem sequer nos apercebemos do certo e do errado com facilidade. O que apreciei, de facto, foi a construção das ideias e o suporte literário que usas para lhes dares forma, coerência e sustentabilidade. E tudo isto num formato agardável de se ler.
Parabéns.
Boa semana, beijo.

Mateso disse...

O fluir das ideias em ponto de palavra , bordado na vida de uma princesa...
Bj.

Mateso disse...

Um desafio lá no meu canto. Gostava que aceitasse. Bj.

The Beggar Maid
Sir Edward Burne-Jones
Theseus in the Labyrinth
Sir Edward Burne-Jones

Obrigada!

Veio do aArtmus

Obrigada!

Veio do Contracenar

Obrigada!

Obrigada!

Dedicatórias

Todos os textos - À Joana e à Marta