segunda-feira, 20 de setembro de 2010

20 de Setembro de 2010


Inscrevo-te na ténue e esbatida linha que não separa realidade e ficção para melhor te descobrir. Tu és o sonho que teimo em sonhar sabendo que nele te construo tanto como tu me constróis a mim. 
Eu sonho-te hoje e tu sonhas-me amanhã quando há um tempo que passa... para tudo inventar.

4 comentários:

T.Mike (Miguel Gomes Coelho) disse...

Ana Paula,
nestes dias, em que tanto necessito de paz, lê-la faz-me tremendamente bem.
Existe uma serenidade nas palavras
que nos conduz à grande beleza de mais este magnífico "naco" de prosa poética.
Obrigado.
Um grande abraço.

Mar Arável disse...

Olhos nos olhos

precisam-se

tiaselma.com disse...

Devo concordar com o primeiro comentarista. Há paz por aqui...

Beijoca.

Há.dias.assim disse...

Vir aqui é encontrar uma parte de mim que está fechada...

The Beggar Maid
Sir Edward Burne-Jones
Theseus in the Labyrinth
Sir Edward Burne-Jones

Obrigada!

Veio do aArtmus

Obrigada!

Veio do Contracenar

Obrigada!

Obrigada!

Dedicatórias

Todos os textos - À Joana e à Marta